Aba 1

Trupe da Kuki Clínica Veterinária
E-mail
Resolva :

Postado em 17 de Junho às 19h31

Tipos de carrapatos

Dicas (30)Cães (19)
Trupe da Kuki Clínica Veterinária Ao contrário do que muita gente pensa, carrapatos não são insetos e sim aracnídeos, ou seja, parentes das aranhas e escorpiões. Esses pequenos parasitas podem ser bem perigosos...

Ao contrário do que muita gente pensa, carrapatos não são insetos e sim aracnídeos, ou seja, parentes das aranhas e escorpiões. Esses pequenos parasitas podem ser bem perigosos tanto para humanos quanto para animais por transmitirem diversas doenças. Vamos falar um pouco sobre os tipos de carrapatos e como mantê-los longe de nossos pets.

Ciclo do carrapato
 Esses parasitas são extremamente antigos, estima-se que tenham surgido há mais de 90 milhões de anos. São mais de 800 espécies no mundo todo, mas nem todas transmitem doenças (ainda bem, né?).
Os carrapatos procuram lugares quentes e húmidos para ficar, além de sangue para se alimentar. Por isso as regiões do cachorro mais “atacadas” são as patas (entre os dedos e coxins), orelhas e no pescoço.
Um mito sobre o comportamento dos carrapatos é o de que eles ficam apenas em áreas rurais ou ambientes abertos com muita grama. A verdade é que eles também habitam áreas urbanas e muitas vezes se abrigam em muros e frestas de porta para reprodução.
Tipos de carrapatos
 Duas espécies são as mais encontradas e perigosas para nossos pets (e também para nós, humanos). O carrapato-estrela e o carrapato-vermelho-do-cão.
Carrapato-estrela costuma se hospedar mais em cavalos e capivaras, mas pode também atacar cães e até mesmo humanos. Essa espécie é responsável por transmitir a febre maculosa que atinge os animais e também os humanos. Esse parasita é mais frequentemente encontrado em áreas com densa vegetação. Vale lembrar que essa doença não é transmitida do pet direto para os humanos ou vice-versa. A transmissão é feita através da picada do carrapato hospedeiro desta bactéria.
O carrapato-vermelho-do-cão é o parasita mais comum e também o mais preocupante, já que é facilmente encontrado em áreas urbanas. Essa espécie é a hospedeira de doenças perigosas como a Babesiose, Doença de Lyme e principalmente a Erlichiose, ou “doença do carrapato” uma doença que não é difícil de acometer nossos bichinhos e pode ser fatal se não for tratada logo. Você pode ler mais sobre a doença do carrapato
Como retirar um carrapato
Ao avistar um carrapato agarrado em seu bichinho, você deve removê-lo o mais rápido possível. Além das doenças que eles podem transmitir, também causam muita coceira e incômodos.
Então, pegue uma pinça e segure o carrapato o mais próximo possível da pele do animal. Puxe de forma firme e em linha reta para que o parasita se solte. Pode acontecer de a cabeça do carrapato ficar presa na pele do cão e isso nem sempre é um problema, acaba saindo de forma natural. No entanto, de qualquer forma, o carrapato estava ali e, como já tinha picado o animal, se ele estiver infectado pode muito bem ter transmitido alguma doença para seu bichinho. Por isso o mais indicado é que o animal seja levado ao veterinário para que ele faça uma avaliação e certifique-se de que o animal está saudável. Além disso, ele também vai observar onde o carrapato esteve, indicar uma pomada para uma possível ferida que ali esteve e orientar procedimentos pra evitar infecções.

Postado em 03 de Junho às 17h50

Adotar um Cachorro ou Adotar um Gato – Dicas para ter o pet dos seus sonhos

Gatos (20)Cães (19)
Trupe da Kuki Clínica Veterinária Carinhoso ou Independente? Ativo ou preguiçoso? Brincalhão ou Comportado? Não estamos falando de cachorros ou gatos, mas de você! Não adianta nada adotar um animal se...
Carinhoso ou Independente? Ativo ou preguiçoso? Brincalhão ou Comportado? Não estamos falando de cachorros ou gatos, mas de você! Não adianta nada adotar um animal se você não se conhece bem nem sabe que características está buscando no amigo. Além das características acima, é importante que você leve em conta:
– o tempo que tem para cuidar dele
– o espaço disponível para o pet
– se você ou alguém da sua casa tem alguma alergia
– a grana que você vai ter que investir em veterinário, vacinas, medicamentos, comida, brinquedos, banhos etc
– como o pet vai ser encaixado nos seus planos de se mudar, casar, ter filhos, viajar pelo mundo…
Não se esqueça de que esse bichinho só pode contar com você para ser feliz. Esse compromisso é para a vida toda do pet, escolha com responsabilidade!
 
Diferenças entre cachorros e gatos
Nem vale a pena dizer que os cachorros são brincalhões, carinhosos, dependentes e leais pois isso todo mundo já sabe! Já os gatos… bem, esses ainda sofrem bastante preconceito porque muita gente acha que eles são traiçoeiros, não se afeiçoam ao dono e até que são do mal… TUDO ERRADO! Gatos são criaturinhas bem independentes e com personalidade própria, mas se apegam ao seu dono sim e gostam de companhia e brincadeiras tanto quanto cachorros, só que de outras formas. As grandes vantagens dos gatos é que a manutenção é bem mais fácil: não precisam de passeios, ficam muito bem sozinhos e já saem de fábrica fazendo necessidades na caixinha. Por outro lado, eles soltam mais pelos no geral e podem arranhar suas coisas se você não o ensinar a usar o arranhador.
Decidi adotar um cachorro
Adote um cachorro
Filhotes são seres encantadores e mágicos. Eles são engraçados e fofos, mas não se iluda: um cãozinho dá muito trabalho. Seu filhote irá precisar de treinamento para que ele saiba o que você quer dele, além de muito exercício e brincadeiras para usar as energias de sobra e para que seu corpo se desenvolva adequadamente. É importante que ele se socialize com diferentes pessoas e animais, para que ele se sinta seguro e confortável no mundo e não tenha problemas de comportamento mais tarde. Assim que ele começar a crescer ele vai morder, fazer bagunça, destruir sua linda havaiana, e, se lidar com xixi e coco no tapete do banheiro parece muito caótico para você, melhor adotar um pet adulto que já saiba o lugar certo ou considerar um gato..
Filhotes se tornam aborrecentes na velocidade da luz, e aquela pequenina e dócil bolinha gorda fofa vai se tornar um mini furacão. A adolescência nos cachorros começa a partir dos 6 meses de idade. Os cachorros pequenos tendem a ficarem maduros fisicamente mais rápido que cachorros de grande porte. Entretanto, todos os cachorros são imaturos mentalmente e emocionalmente antes dos 2 ou 3 anos de idade, por isso eles continuam a precisar de treinamento, exercício e socialização durante esse período de desenvolvimento.
Uma dica bem legal: se esse for o seu primeiro cachorro ou se você não tiver tempo para treinar, socializar e exercitar o seu filhote ou adolescente, adotar um cachorro adulto pode ser o melhor para você. Quando você escolhe adotar um cachorro adulto, você já tem uma boa ideia da personalidade do seu futuro amigo. Mesmo que cães em abrigos ou lares provisórios possam não mostrar sua personalidade de cara completamente.
Se você está achando que um cachorro adulto não irá criar laços afetivos com você, meu amigo saiba que você está errado! Cães são abertos a novos relacionamentos e com espaço de sobra no coração. Alguns até esquecem os maus tratos do passado e recomeçam a viver, e isso é algo prazeroso de ser ver.
Adotou um idoso? Cães idosos são muito adaptáveis, mas dê um tempo para ele se acostumar a sua nova casa. Depois que você adotar um pet aposentado vai saber que foi uma das coisas mais lindas que você já fez e ele vai retribuir com amor e devoção pelo resto de seus dias.
Prefiro adotar um gato
Antes de ir ao abrigo adotar um gato, considere suas expectativas e necessidades. Se você trabalha, não é recomendado adotar um gatinho ou um adolescente (menos de 18 meses de idade), já que um adulto precisa gastar menos energia. Já, se você é
um novato na seção de gatos, fique longe dos muito tímidos ou agressivos, pois eles  podem ser um desafio para sua primeira experiência.
Sua melhor aposta é adotar um gato amigável, que ronrona e retribui o carinho quando  você o  acaricia.
Igualmente como os cães, gatos adultos e idosos já estão com a personalidade desenvolvida, então você saberá qual é o temperamento do gato, que é uma verdadeira  caixinha de surpresas quando ele é nenê.
Aqui vão 7 dicas para deixar seu gato feliz e saudável:
  1. Assim como os cães, gatos precisam de alimento de qualidade, com os nutrientes e vitaminas necessários
  2. Gatos precisam de água fresca em diversos locais da casa. Gatos adultos não precisam de leite e isso ainda pode fazer mal
  3. Não retire as unhas do seu gato! Além de ser MUITO doloroso, o gatinho pode não se adaptar ou ter dificuldade de locomoção, pois parte do osso em que se apoia também é removido. Para prevenir arranhões nos móveis, apare as unhas dele regularmente e compre um arranhador. Se você está indignado com a ideia de um gato eventualmente  arranhar as suas coisas, opte por um gato de pelúcia ou escolha outro pet…
  4. Coloque uma identificação no seu gato, mesmo que você não o deixe sair de casa. Afinal gatos são ágeis e espertos e facilmente vão arrumar um jeito de sair de dentro da casa.
  5. Gatos não precisam de banhos frequentes, eles são animais que se mantêm limpos e arrumados o tempo todo. Na verdade, o banho só serve para deixar com cheirinho, pois eles são bem limpinhos mesmo!
  6. Garanta que seu gato esteja recebendo bons cuidados médicos e que ele tenha todos os exames e vacinas em dia
  7. Dê ao seu gato muito amor à afeição. Gatos podem ser mais independentes que os cachorros, mas, mesmo assim, te farão companhia e darão amor
Onde adotar?
Você pode ir a vários lugares para adotar um animal, existem ONG’s que fazem feiras de adoção e que possuem site também, e também o centro de Zoonoses da sua cidade.

Postado em 03 de Junho às 17h33

Cuidados pré e pós castração de cães e gatos


Postado em 03 de Junho às 17h32

Cuidados pré e pós castração de cães e gatos

A castração de cães e gatos é um procedimento cirúrgico que não é muito complicado, mas precisa de diversos cuidados tanto antes, quanto depois da cirurgia. Confira abaixo todos os cuidados pré e pós castração de cães e gatos.

Alguns cuidados após castração são fundamentais para a rápida recuperação de cães e gatos e o sucesso da cirurgia. A castração é importante para evitar prenhez indesejada, doenças e alguns desdobramentos, como o abandono e os maus-tratos. O procedimento cirúrgico não é muito complicado, mas exige diversos preparos prévios e cuidados após castração.

No que consiste a castração?
A castração é um procedimento cirúrgico que deve ser feito por um médico veterinário. Alguns procedimentos ainda pedem a presença de um anestesista veterinário pois o animal deve estar sob anestesia geral que pode ser inalatória ou injetável. Apenas um profissional capacitado pode indicar qual o melhor procedimento e anestesia para cão ou gato. A anestesia inclusive é um dos motivos para os cuidados após castração. A cirurgia de castração é realizada de formas diferentes em cães e gatos machos e fêmeas. Nos animais machos, o procedimento retira os testículos. Já nas fêmeas, a cirurgia consiste na retirada dos ovários e útero através de uma incisão normalmente próxima ao umbigo. Nos dois procedimento, o corte recebe pontos e eles exigem cuidados após castração.
Cuidados pré castração
Antes da cirurgia, o animal passará por uma consulta para ver se seu organismo está funcionando perfeitamente para a operação. Para isso, o médico veterinário pedirá alguns exames para assegurar se tudo está realmente bem. O dono então é orientado a garantir a devida restrição hídrica do pet de no mínimo seis horas e alimentar de no mínimo doze horas. Isso é extremamente importante, pois garantirá a segurança do bichinho durante o procedimento cirúrgico.

Preparação para a castração
Apesar de ser considerada uma cirurgia de baixa complexidade na maioria dos casos, além de cuidados após castração, a preparação é necessária. Antes da cirurgia, o animal deve passar por uma consulta com um médico veterinário para a análise clínica. O profissional poderá pedir alguns exames como hemograma e eletrocardiograma. Esses cuidados são importantes por causa da anestesia. Além da consulta e dos exames, o animal deverá realizar jejum alimentar e restrição hídrica pelo período solicitado pelo veterinário. O tutor também pode se preparar de outras formas, como comprar um colar elisabetano e levar um cobertor para ser usado nos cuidados após castração. Além disso, o vômito após castração não é incomum, portanto prepare-se cobrindo a cama do animal, tapetes e outros lugares previamente para minimizar riscos de sujeira. Levar a caixa de transporte também pode facilitar a retirada do animal da clínica e tornar o trajeto mais confortável.

Cuidados pós castração
Depois de realizada a cirurgia, o animal ficará em observação na clínica até voltar da anestesia, onde será dada a autorização de seu merecido repouso em casa para receber os devidos cuidados do pós-operatório por parte de seu dono. No caminho de casa, pode ser que o animalzinho ainda esteja sob o efeito da anestesia e por isso ficará calmo ou sonolento. Na chegada, o cão ou gato precisará apenas de uma casinha ou caminha quentinha para descansar e um comedouro e bebedouro com água e ração quando ele quiser beber ou comer. O dono não deve forçá-lo a beber água ou se alimentar quando ele mesmo não demonstrar vontade, pois o pet recebe soro na cirurgia e é normal que ele não sinta fome ou sede nas primeiras horas de pós-operatório. Como foi feita uma incisão, o animal sentirá dor, portanto o médico veterinário indicará um analgésico que deve ser dado na hora certa e pelo tempo prescrito.

Durante o pós-operatório, o dono deverá seguir as orientações que recebeu na clínica e retirar o curativo para a limpeza da sutura diariamente com o auxílio de um produto indicado pelo veterinário. Em alguns casos será preciso refazer o curativo utilizando gaze e microporo, mas na maioria dos casos só a limpeza é o suficiente. Nesse período, o bichinho precisará ficar com seu colar elizabetano para impedi-lo de mexer ou retirar o curativo, além de não contaminar o local da cirurgia. O colar elizabetano também é muito importante, pois o animalzinho sem esse acessório pode retirar seus pontos com a boca e precisar de uma nova cirurgia com urgência.

Por fim, uma nova data de retorno ao médico é agendada para que o pet seja reavaliado para a retirada dos pontos. Se os cuidados de pós-castração foram feitos corretamente, consequentemente a saúde do animal estará garantida e ele estará brincando ativamente em breve com toda a família.

Conforto
Assim como nós, os animais precisam de conforto e cuidados pós-cirúrgicos. A recuperação da castração de cachorro e gato precisa de um espaço com a caminha, uma coberta e um pano ou lençol próprio para evitar sugeria vômito após castração ou até urina. Se preferir, coloque uma fralda para cachorro ou gato. O repouso do animal deve ser absoluto para evitar que os pontos abram ou que surja um caroço após castração que pode evoluir para uma hérnia.

Água e comida
A hidratação e a alimentação são liberadas de acordo com a orientação do veterinário. Não force o animal à comer, já que a anestesia pode deixar o cão ou o gato enjoado provocando vômito após castração. Além do enjoo outros sintomas após castração comuns são dores leves no local da cirurgia, sonolência, falta de apetite e incontinência urinária. Os sintomas tendem a sumir rapidamente. Caso persistam procure seu veterinário de confiança.

Medicamentos
Os medicamentos prescritos pelo veterinário devem ser dados corretamente para evitar complicações. Também é comum a necessidade de curativos e limpeza dos pontos feitos sobre a incisão, que deve ser feita apenas sob orientação profissional.

Meu gato tirou os pontos

Os animais instintivamente tendem a lamber ferimentos para promover a cicatrização. Apesar de funcionar na natureza, os produtos indicados pelo veterinário são mais eficazes e seu animal pode se machucar se tirar os ponto. Entre os cuidados após castração mais indicados estão o uso de roupa cirúrgica e colar elisabetano. Ambos dificultam o acesso da boca e das patas do animal ao ferimento evitando infecções e machucados. Os pontos devem ser retirados apenas pelo médico veterinário através de um procedimento simples que não exige anestesia. No retorno ao veterinário é fundamental para verificar a recuperação correta.

Outros cuidados após castração

Cães e gatos tendem a se recuperar rapidamente e os sintomas após castração simplesmente desparecem. Porém, outros cuidados após castração podem ser necessários, por exemplo no aparecimento de um caroço após castração. Essa elevação pode ser decorrente da cicatrização, porém é imprescindível a visita a um médico veterinário para avaliação. Alguns veterinários indicam o uso de ração seca para animais castrados outro sugerem o aumento nas atividades físicas. Realize todos os cuidados após castração corretamente seguindo as orientações de um profissional. Em pouco tempo seu animal estará totalmente recuperado e ainda livre de prenhez indesejadas e reduzirá a chance de diversas doenças, como as sexualmente transmissíveis e alguns tipos de câncer .