Aba 1

Trupe da Kuki Clínica Veterinária
E-mail
Resolva :

Postado em 21 de Fevereiro de 2017 às 06h21

Bebê novo em casa! Como meu cachorro vai lidar?

Trupe da Kuki Clínica Veterinária Novidades em casa: um bebê está chegando! Isso mesmo, seu cachorrinho vai ganhar um irmão humano! Já posso até imaginar a farra que os dois farão juntos com todos aqueles...

Novidades em casa: um bebê está chegando! Isso mesmo, seu cachorrinho vai ganhar um irmão humano! Já posso até imaginar a farra que os dois farão juntos com todos aqueles brinquedos espalhados pela casa e as sonequinhas gostosas no meio da tarde. Nos vídeos do Facebook essa relação é sempre muito linda, né? Mas você precisa tomar algumas medidas para que não haja ciúme entre os dois moradores da casa e eles venham a ser os melhores amigos.

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

Antes de mais nada, se você ainda tem alguma dúvida se é saudável ou não manter um animalzinho perto de um bebê, já vou te adiantar que é sim!

Pode procurar, diversas pesquisas, nacionais e internacionais, comprovam que os recém-nascidos que convivem com cachorros fortalecem mais rapidamente o sistema imunológico.

Aí você deve estar se perguntado: “mas os animais não possuem diversos germes e bactérias?” E eu respondo que sim! E é exatamente por isso que os bebês fortalecem as defesas do corpo mais rápido.

O Hospital Universitário Kuopio, da Finlândia fez uma pesquisa e olha só o resultado: os bebês sortudos que convivem com cachorros, têm 44% menos chances de ter as famosas infecções de ouvido, além de terem 29% menos chances de precisarem tomar antibióticos. Demais, né?

Bom, inseguranças esclarecidas, hora de prepararmos o peludo para a chegada do novo morador. Vamos lá:

Antes da chegada
Seu animalzinho vai acompanhar sua gravidez mas, ao contrário de uma criança, ele não vai entender o que vai surgir daquele barrigão depois de alguns meses. Por isso é importante prepará-lo para a chegada do bebê antes do primeiro encontro. Se forem ocorrer mudanças no espaço da casa, como por exemplo, proibir a entrada do animal no quarto do neném, é muito importante que essa restrição vá sendo feita aos poucos e durante a gravidez, para quando o bebê chegar, o animal já ter se acostumado e não relacionar a proibição à chegada do mesmo.

Outra dica muito eficaz é levar um paninho com o cheirinho do bebê, ainda antes desse chegar em casa, para que o cachorro possa ir se identificando com o novo morador.

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

Chegamos
Como de costume, o cachorro fará uma enorme festa ao reencontrar sua mãe que ficou um tempo fora. Essa agitação não é saudável para o cão e nem para o primeiro encontro com o bebê. Assim, peça para que alguém espere com a criança enquanto você cumprimenta o cachorro. Faça festa, dê bastante carinho e acalme o bichinho. Depois da euforia, você pode apresentar o novo membro da família.

Devagar
Espere que o animal esteja calmo. É sempre importante que o cachorro assemelhe momentos de tranquilidade enquanto estiver com o bebê, para evitar pulos e movimentos muito bruscos.

Comece deixando ele sentir o cheiro dos pertences que vieram com o bebê e depois deixe que ele cheire os pezinhos. Dessa forma o bebê também vai se acostumando com o contato daquela coisinha peluda.

É importante que toda vez que o animal estiver perto do bebê e apresentar um comportamento calmo ele seja recompensado. Nada melhor do que carinhos e petiscos para entender que, perto daquela nova criaturinha, ele deve se manter tranquilo.

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

Minha rotina fica
Como já disse, se você quiser que alguma coisa na rotina do seu animal mude com a chegada do bebê, essa transição deve ser feita durante a gravidez. Nunca, de forma alguma, repreenda o cachorro por fazer algo que você não queira e que envolva o bebê. Por exemplo: se quiser que ele não tenha acesso ao quarto da criança, deixe claro essa restrição durante a gravidez, para que ele não associe o bebê à proibições. Combinado?

A rotina deve se manter a mesma. Se você costuma passear com o animal, ou se dar a comida é responsabilidade sua, mantenha esses afazeres! A chegada do bebê deve ser algo que agregue alegria à casa e ao animal e não um intruso que tirou privilégios do cachorro.

Sozinho não
Por mais que você confie no seu cachorro e tenha certeza de que ele e seu filho se deram bem, não deixe os dois sozinhos nem por um momento. Acidentes acontecem e às vezes uma brincadeira ou mesmo uma atitude protetora do cachorro pode ser brusca demais para o bebê.

Bebê dá trabalho
É muito lindo e fácil escrever tudo isso, mas sei que a chegada de um bebê dá bastante trabalho e às vezes fica difícil dividir a atenção nos primeiros dias. Por isso, você deve sempre ter uma arma secreta ao seu alcance! Aquele brinquedo de morder que seu cachorro adora! Todo peludo têm um brinquedo ou um osso que é quase como uma chupeta. Ele fica horas mordendo e se distraindo. Assim, quando você precisar se dedicar exclusivamente ao bebê e o cachorro estiver demandando também sua atenção, ofereça esse brinquedo. Ele se sentirá recompensado e ficará tranquilo por algum tempo sem nem prestar atenção em você e no irmãozinho humano.

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

Saúde em dia
Isso independe da chegada de um bebê em casa, mas é sempre bom reforçar. Mantenha o animal sempre vacinado e vermifugado, com antipulgas em dia e a saúde em ordem.

Seguindo essas dicas, sua casa vai ter o dobro de alegria e o triplo de amor, com certeza! <3

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

Já passou por essa situação na sua casa? Conta pra gente como foi essa experiência aqui em baixo nos comentários! 😉


Postado em 16 de Fevereiro de 2017 às 08h31

Anemia em cães

Cães (19)
Trupe da Kuki Clínica Veterinária Você já ouviu falar na palavra anemia? Provavelmente sim, pois algumas crianças e adolescentes às vezes acabam tendo esse problema devido a uma doença ou...

Você já ouviu falar na palavra anemia? Provavelmente sim, pois algumas crianças e adolescentes às vezes acabam tendo esse problema devido a uma doença ou alimentação inadequada. Os pets também podem sofrer desse problema e as causas são as mais variadas.

Mas afinal, o que é a famosa anemia? O sangue tem os chamados glóbulos vermelhos, quando por algum motivo eles estão em número inferior ao normal, o pet ou a pessoa fica anêmica, ou seja, anemia é a diminuição dos glóbulos vermelhos no sangue.

Você provavelmente está se perguntando: “qual a função desses glóbulos vermelhos? Para que eles existem?” Eles participam ativamente das trocas gasosas do organismo, dentre outras funções. São produzidos na medula e para serem “fabricados” pelo organismo, precisam de diversas substâncias como minerais, ferro e vitaminas. Essas substâncias são ingeridas através de uma alimentação balanceada. Se o pet não for nutrido corretamente, elas poderão estar em falta e consequentemente levarão o bicho a ficar anêmico.

Porém, não é só causa nutricional que faz o pet adoecer. Há diversos fatores e inúmeras doenças que podem ter como um dos sinais clínicos a anemia. A desnutrição ou alimentação errada é apenas uma delas. Para evitar esse problema o proprietário precisa dar uma ração de qualidade para o animal, balanceada e de acordo com a idade dele. Caso tenha alguma dúvida, converse com o médico veterinário do seu bichinho.

Há também casos em que o animal sofre um trauma e acaba tendo hemorragia interna ou externa e perde muito sangue ou tem um tumor grande que leva a uma hemorragia e como consequência o pet fica anêmico. Esses casos são muito graves e, a maioria das vezes, o animal precisa de transfusão de sangue ou até procedimento cirúrgico para estancar a hemorragia. Depois disso, uma alimentação especial, suplementos vitamínicos entre outros.

Há também casos graves de infecções parasitárias, tanto causadas por parasitas internos quanto pelos externos como pulgas e carrapatos. Quando o tutor não vermífuga o animal corretamente ou não faz controle dos ectoparasitas, ele podem ter um quadro grave de anemia e até morrer! Por isso, é muito importante que a vermifugação seja feita corretamente, usando a dose indica pelo médico veterinário e fazendo as repetições necessárias.

Por fim, há também doenças que conseguem destruir essas células vermelhas. Esse é o caso da babesiose, causada pelo protozoário “babesia”, que é transmitido pelo carrapato. Dessa mesma maneira atua a erliquiose, que é causada pela "erliquia", presente em ectoparasitas e transmitidas ao cão. O animal começa a ficar apático, triste, sem fome, para de brincar e evita esforço. Esses sinais são os da doença, devido a fraqueza causada pela anemia. O tratamento não é simples e precisa ser iniciado o quanto antes. Muitos não sobrevivem e morrem. Quanto mais rápido o médico veterinário for procurado, maiores as chances de cura.

Para diagnosticar, o médico veterinário fará um exame completo no bichinho e examinará as mucosas da boca e olho, que ficam alteradas de cor quando o pet está anêmico. Depois disso, ele precisará descobrir o porquê dessa anemia e nesse caso poderá pedir exames de sangue e outros que se façam necessários.

Qualquer alteração de comportamento notada no cão é motivo para você correr com ele para o médico veterinário! Fique atento!


Postado em 14 de Fevereiro de 2017 às 08h13

Prevenção: vacina, vermífugo e antipulgas

Cães (19)
Trupe da Kuki Clínica Veterinária A melhor maneira de evitar ao máximo que seu bichinho fique doente é a prevenção! Aplicar vacinas, antipulgas e vermífugos na frequência certa, oferece uma garantia maior...

A melhor maneira de evitar ao máximo que seu bichinho fique doente é a prevenção! Aplicar vacinas, antipulgas e vermífugos na frequência certa, oferece uma garantia maior de que seu amigo ficará saudável! Aqui vão algumas diquinhas para te deixar por dentro desse calendário de proteção à saúde do seu cachorro.

Então, vamos lá:

Vacinas
Essa é uma das armas mais importantes para a saúde seja dos animais ou mesmo dos seres humanos. A carteira de vacinação em dia sempre será sua melhor aliada no combate às doenças. Sem contar que, alguns lugares, principalmente hotéis pet friendly, exigem a carteira de vacinação em dia para permitir a hospedagem dos peludos.

Assim que essas bolinhas de pelos nascem, já com 45 dias de vida, eles devem começar a tomar as primeiras doses que devem ser administradas a cada 21 dias, nessa primeira “rodada” de vacinação.

São elas:

V10 – de três a quatro doses. (algumas raças como rottweiler e border collie são mais sensíveis, já que ocorre uma quebra de anticorpos maternos logo no primeiro mês, dessa forma, nessas raças são aplicadas quatro doses de v10)

– Raiva;

– Duas de gripe;

– Duas de giárdia.

Depois dessas primeiras doses, a prevenção funciona administrando as vacinas anualmente. Uma dose de cada uma dessas citadas por ano. Certo?

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

Antipulgas
O que mais tem no mercado hoje em dia são métodos para prevenir seu cachorro contra pulgas, além dos carrapatos que oferecem um risco enorme!

Você pode optar por pipetas, comprimidos, coleiras e shampoos:

Pipetas: são as mais comuns por serem de fácil aplicação e nem um pouco incômodas para os bichinhos. A aplicação deve ser mensal e é muito eficaz contra diversos parasitas.

Coleiras: alguns donos não gostam do fato de o animal ter que ficar de coleira o tempo todo, já que alguns não estão acostumados, ou possuem muito pelo que podem embolar. Além disso, antigamente, essas coleiras eram conhecidas pelo cheiro horroroso que tinham! Mas a tecnologia está aí e hoje em dia é uma ótima ferramenta na prevenção dessas pragas. Apesar de serem mais caras, algumas duram até seis meses. Minha cachorrinha usa uma dessas e ela funciona de verdade! Pulgas e carrapatos nem chegam perto dela e a coleira é super segura e não tem cheiro nenhum. E como só tem que trocar a cada seis meses, é um sossego só!

Shampoos: esses produtos são usados mais para eliminar os parasitas que já estejam se aproveitando do seu cachorro. Como ele não deixa resíduos, não serve como arma de prevenção.

Comprimidos: em sua maioria, também devem ser administrados mensalmente e, se seu amigo não dá aquele trabalhão para tomar remédio, é uma medida também eficaz. Mas hoje você encontra medicamentos que servem muito mais do que como meros antipulgas. Vamos falar deles aqui em baixo, no tópico dos vermífugos.

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

Vermífugos
Com 45 dias seu bebê cachorro já pode tomar o primeiro vermífugo. Ele toma uma dose e dali a 15 dias toma a segunda dose. Depois, a cada três meses deve-se repetir esse esquema para a prevenção.

Com o cachorro adulto, a frequência é igual a do filhote, mas o que acontece é que temos no mercado esses novos medicamentos que são super eficazes (como estávamos citando no tópico de cima). Eles servem tanto para a prevenção e combate a parasitas externos quanto parasitas internos, como vermes. Um exemplo é o Revolution, um medicamento que deve ser aplicado diretamente na pele e mantém seu animal seguro (no caso desse produto em específico, a aplicação deve ser mensal). Mas existem outras opções de comprimidos que precisam ser ingeridos apenas uma vez a cada três meses, não havendo a necessidade da repetição dali a 15 dias.

Bom, opções é que não faltam no mercado, basta achar aquela que seja mais eficaz e confortável para o seu animal.

Mas, importante: cada caso é um caso. Têm animais que ficam mais dentro de casa, outros vivem mais soltos, uns maiores, outros menores… tudo isso causa variação nas medicações e até mesmo nas frequências. Acima, fizemos uma lista genérica, mas é muito importante que seu amigo tenha acompanhamento veterinário para que ele indique quais são as formas mais indicadas para você e seu amigo seguirem sempre saudáveis!

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

Postado em 09 de Fevereiro de 2017 às 08h25

Gatos podem tomar leite? A verdade sobre esse alimento

Gatos (20)
Trupe da Kuki Clínica Veterinária É muito comum donos de gatos se perguntarem: gatos podem tomar leite? Isso porque vemos isso acontecendo em filmes e desenhos animados. E então? Não, gatos não podem tomar leite....

É muito comum donos de gatos se perguntarem: gatos podem tomar leite? Isso porque vemos isso acontecendo em filmes e desenhos animados. E então?

Não, gatos não podem tomar leite. Sim, eles gostam, é verdade. No entanto, apesar de não ser um produto tóxico, ele não é saudável para os felinos, podendo fazer com que desenvolvam diarréias e vômitos.

“Existem outros alimentos muito mais saudáveis para se oferecer. Não é porque gostam que eles podem tomar. Além disso, alguns gatos, assim como algumas pessoas, podem apresentar intolerância a lactose”, explica o médico veterinário José Mourino.

O ideal é que o gato coma apenas suas ração, por se tratar da forma mais balanceada de alimentação do felino.

“Se for o caso de criar uma dieta caseira, ela deve ser feita sob supervisão de um médico veterinário nutrólogo, visto que alguns alimentos podem causar intoxicações graves, como alguns peixes, uva e cebola”, explica a médica especialista em felinos Tatiani Camargo.

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

O que fazer no caso de ingestão?
O recomendado no caso é ficar de olho para ver quais as reações do animal. Se ele vomitar ou tiver diarreia, deve ser levado imediatamente a um hospital veterinário.

“Caso a quantidade for pequena ou eles tomarem de forma esporádica, nada deve acontecer. Mas se houver muita quantidade ou eles tomarem com frequência, a dieta pode ficar desbalanceada. E sabemos que quanto melhor a dieta, mais saúde e longevidade”, comenta Mourino.

No caso de intolerantes, diarréias graves e perda de peso podem acontecer e muitas vezes evoluir para problemas crônicos.

  • Trupe da Kuki Clínica Veterinária -

E se o gato sempre tomou leite? Nesse caso gatos podem tomar leite?
Uma das maiores questões na hora de pesquisar sobre se gatos podem tomar leite é sobre aqueles que já estão acostumados com o alimento.

Nesse caso, o melhor é ir diminuindo a quantidade aos poucos e substituindo por outros alimentos mais saudáveis.

Muitos produtos de consumo humanos podem ser tóxicos ou não. É necessário lembrar que o gato é um carnívoro e deve ter uma dieta muito diferente da nossa.