Aba 1

Trupe da Kuki Clínica Veterinária
E-mail
Resolva :

Postado em 23 de Janeiro às 10h24

15 dicas para os dias de calor com o pet

Trupe da Kuki Clínica Veterinária O verão veio com tudo! E assim como nós sofremos, os pets também se incomodam e podem ser prejudicados. Cachorros ofegantes, gatos bebendo mais água, aves buscando por sombra,...
O verão veio com tudo! E assim como nós sofremos, os pets também se incomodam e podem ser prejudicados. Cachorros ofegantes, gatos bebendo mais água, aves buscando por sombra, roedores se escondendo embaixo da serragem Se você está passando calor com o pet, seja ele um cachorro, gato, coelho, passarinhos, lembre-se que mesmo saudáveis, eles podem sofrer.
Nessa época são mais comuns quadros de desidratação, queimaduras solares, machucados nas patas e choque térmico. Felizmente existem muitos cuidados que podemos tomar. Como tutores conscientes e responsáveis que somos, devemos ajudar os pets a sobreviver às altas temperaturas!
O choque térmico, por exemplo, é um problema comum em cachorros nessa época do ano e pode ser fatal se não tratado imediatamente. Geralmente o choque térmico ocorre quando os animais são deixados em espaços confinados. Locais com pequena ou nenhuma ventilação e alta umidade, como carros, parques e praias sem sombra, e em períodos do dia com sol muito forte e pouco vento. E, diferentemente do senso comum, em dias com temperaturas mais amenas os pets também podem sofrer muito com o calor, dependendo da ventilação e umidade! 
Seguem dicas importantes para um verão feliz com seu melhor amigo, seja ele cachorro, gato, coelho…!
1. Hidrate seu pet!
Mantenha seu pet hidratado durante todo o dia: ofereça sempre água limpa e fresca (água gelada é ótimo). Você também pode oferecer água de coco (especialmente gelada) ou suco de frutas. Mas nunca dê suco de uva ou carambola pois são tóxicas para cachorros e gatos!

2. Cuidado com os períodos mais quentes do dia.
Nos dias de calor com o pet, evite passeios e dog walker nos horários mais quentes do dia. Não saia entre as 10hs e 15hs. E mesmo fora desses períodos, dê preferência para locais sombreados, com muitas árvores e piso de grama, que não esquenta tão rapidamente. Não passeie com seu pet se o asfalto da rua estiver quente. Lembre-se que as patas dos cachorros são muito sensíveis e poderão esquentar rapidamente.

3. Use protetor solar para pets.
Se seu pet costuma fazer passeios ou dog walker e tem pelo curto, pelagem branca ou mucosas claras, passe protetor solar no pet! Mas use protetor solar específico para pets (caso não encontre, pode usar protetor para crianças ou para peles sensíveis). Passe protetor solar especialmente nos locais do corpo com menos pelagem e mais expostos ao sol, como orelhas, focinho e ao redor dos olhos.
 
4. Não exagere nos exercícios nos dias de calor com o pet.
Como tudo na vida, exercícios são bons sem exageros. Tome cuidado para o pet não se exercitar demais! Faça pausas frequentes nos exercícios e brincadeiras e ofereça um pouco de água nessas pausas.
5. O pet NUNCA fica sozinho no carro.
Nunca deixe o pet sozinho no carro. Não é só nos dias de calor com o pet: não deixe-o sozinho nem por 5 minutinhos, nem com a janela aberta! NUNCA! A temperatura dentro de um carro pode subir até cinco graus em 15 minutos. E as janelas abertas não ajudam em nada. Um trabalho publicado na revista científica Pediatrics, mostrou que carros com todas as janelas quebradas apresentaram a mesma temperatura no interior, que carros com os vidros fechados. E deixar o ar condicionado ligado também não ajuda! Ele pode desligar sem você saber e pode levar à morte por inalação de gases tóxicos (veja esse exemplo da Índia).
6. Cuidados na praia e em parques.
Em parques ou praias (que aceitem animais de estimação), garanta que seu pet tem um local sombreado, com água fresca disponível e bastante ventilação para ficar. Caso não tenha esses requisitos, não leve seu pet e deixe-o descansando em local seguro.

7. Preste atenção aos sinais de cansaço e desconforto.
Se seu pet está ofegante, salivando muito, com dificuldades para respirar, prostrado (não quer se mover, não quer fazer nada), não quer andar, comer, beber água fique atento! Ao ver estes sinais de forma mais leve, ofereça um período de descanso na sombra com água fresca para seu pet! No caso destes sinais de forma mais grave, leve seu pet o mais rápido possível para uma clínica veterinária! Um animal excessivamente ofegante (especialmente gatos ofegantes), com dificuldades para respirar, aumento da frequência cardíaca e respiratória. Ou ainda com fraqueza muscular, salivação excessiva, muito parado ou muito agitado, vomitando, com a língua e mucosas azuladas ou acinzentadas, perda de consciência e convulsões pode estar com choque térmico, não perca tempo! Coloque sacos de gelo (especialmente nas axilas e nas região da barriga e entre as patas de trás), ligue o ar condicionado ou ventilador do carro e vá para o hospital veterinário mais próximo.

8. Cuidados extras com animais de focinho curto.
Lembre-se que animais braquicefálicos (com focinhos curtos) como cães das raças Pug, Bulldog e Shih-Tzu e gatos Persas, são mais susceptíveis a hipertermia e choque térmico. Eles precisam de cuidado extra! Limite os exercícios, faça mais pausas, ofereça mais água e líquidos, fuja do sol e do calor!

9. Cuidados extras com pets idosos, com sobrepeso, problemas cardíacos ou respiratórios.
Os pets idosos, com sobrepeso, problemas cardíacos ou respiratórios também precisam de prevenção extra: mantenha-os o máximo do tempo em locais com ventilador ou ar-condicionado. Se possível, mantenha a pelagem sempre curta durante o verão e ofereça bastante líquido. Fique muito atento aos sinais de desconforto e mudanças de comportamento e alimentação. Informe o médico veterinário de confiança caso note mudanças.

10. Cuidado com piscinas e mar.
NUNCA deixe seu pet sozinho se no local existir uma piscina ou próximo do mar. Caso queira entrar na água com seu pet, habitue-o lentamente a entrar na água com você. Sempre com a sua supervisão 100% do tempo e, se possível, com uso de “coletes” de flutuação para cães (que já estão chegando no mercado brasileiro).

11. Use e abuse do enriquecimento ambiental!
Existem várias opções de enriquecimento ambiental ótimas para o calor! Piscininhas rasas de criança, vasos de plantas grandes e largos, ou baldes rasos e largos cheios de água e gelo são uma ótima pedida para cachorros! Uma brincadeira refrescante! Você também pode fazer sorvetes para cachorros e gatos! Coloque em um copinho de plástico suco de frutas, pedaços de frutas, água de coco, até petiscos em pedacinhos e depois deixe congelar por cerca de 5 horas! Hummm… seu pet vai adorar a novidade! e além de fácil e barata! Se você quiser saber mais e aprender a deixar o ambiente do seu pet muito melhor.

Postado em 22 de Janeiro às 10h28

6 cuidados que você deve ter com o seu pet no verão

Cães (15)Dicas (28)Gatos (19)
Trupe da Kuki Clínica Veterinária A temporada de sol e calor já chegou. Saiba como cuidar do seu amigo com as temperaturas cada vez mais altas!   Com o verão, a temperatura fica complicada até para...
A temporada de sol e calor já chegou. Saiba como cuidar do seu amigo com as temperaturas cada vez mais altas!
 
Com o verão, a temperatura fica complicada até para nós humanos. Para os animais, a situação não é diferente. Sabendo disso, é importante tomar alguns cuidados especiais com os seus pets. Quer saber mais sobre o assunto? Então dá uma olhada!
Garantindo o bem-estar do seu pet no verão
De acordo com a veterinária Daniela Brecht, do Hospital Veterinário Amizade, uma das principais recomendações para a estação é prestar muita atenção no seu pet. “Certas atitudes dão clareza de que o calor atrapalha, inclusive, a movimentação deles, como, por exemplo, a boca aberta e a respiração ofegante que os impedem até de caminhar”, explica. 
Quais as raças com maior dificuldade no calor?
Segundo a especialista, os cães mais sensíveis ao calor são os Bulldogs, Pugs, Boxers, Shitsus, Lhasas Apso e Pequinês, pois todos esses possuem o focinho curto, causando dificuldade para respirar e perder calor.
Cuidados que você deve tomar no verão
  • Dê passeios com o seu pet antes das 9h ou a partir das 18h;
  • Troque a água do animal frequentemente para oferecer um líquido de temperatura mais fresca;
  • Para diminuir o calor do seu pet, deixe os pelos de cães e gatos em um tamanho menor;
  • Reserve um local com sombra para que seu amigo fique confortável;
  • Não deixe o animal preso em lugares apertados e sem ventilação;
  • Evite deixar as rações expostas por um longo período.

Postado em 17 de Janeiro às 09h42

Os tempos de vida dos cães

Trupe da Kuki Clínica Veterinária Você sabe como é dividida a vida dos cães? E a dos gatos? Sabia que eles também têm a fase da infância, adolescência, fase adulta e velhice? Os animais, assim como o...
Você sabe como é dividida a vida dos cães? E a dos gatos? Sabia que eles também têm a fase da infância, adolescência, fase adulta e velhice? Os animais, assim como o homem, têm várias fases da vida. Cada uma delas, precisa de um tratamento especial. Por isso, é importante que o proprietário conheça essas fases para que possa dar um tratamento melhor ao seu pet.
Quantos anos vive um cachorro?
Os bichinhos, assim como os humanos, tem um tempo de vida, como se fosse programado. Quando esse período começa a ultrapassar essa programação biológica, os problemas de saúde como tumores entre outros, começam a aparecer com mais frequência. É da mesma maneira que acontece com as pessoas.
Provavelmente você já ouviu falar que cada ano da vida de uma pessoa equivale a 7 anos da vida de um pet, mas as coisas não são bem assim. Para começar a entender, é importante saber que cães de porte grande vivem menos do que cães de porte pequenos. Só com isso, a relação de período de vida entre eles e os humanos são diferentes, afinal, a fisiologia de cada animal é diferente e uma conta simples como essa, não leva em conta todas essas alterações.
Tempo de vida de um cão de porte pequeno
De uma maneira geral, podemos falar que um filhote de aproximadamente 6 meses de idade, tem o equivalente a um adolescente de 15 anos. Já com dois anos de idade, esse mesmo cão já tem a idade equivalente a uma pessoa de 27 anos. Um cão de porte pequeno com 10 anos de idade tem o equivalente a uma pessoa de 55 anos de idade e um cachorrinho que tem 18 anos, ou seja, é bem velhinho, pode ser comparado a um humano de 90 anos de idade. Isso é válido apenas para os cães de porte pequeno.
Cães de porte médio
Cães de porte médio têm menos tempo de vida do que um cão de porte pequeno. Por isso, as relações entre idade humana e canina devem ser feitas de maneira diferente, pois a fisiologia dele é diferente. Um cão médio que tem seis meses de idade, pode ser comparado a uma criança de 8 anos. Você pode notar que é diferente do de porte pequeno. Quando ele tem 2 anos de vida ele pode ser comparado a uma pessoa de 23 anos, porém, quando está com 10 anos de idade, esse cão já é comparado a uma pessoa bem mais velha do que o cão de pequeno porte. O desenvolvimento dele é diferente e um cachorrinho de porte médio que tem 10 aninhos de idade, pode ser comparado a uma pessoa de 75 anos. Quando esse mesmo pet chega aos 14 aninhos, que é o que ele vive na maioria das vezes, ele já é comparado a um humano de 95 anos. Percebeu como de acordo com o porte essa idade é diferenciada?
E os cães de porte grande?
Os cães grandes são diferentes dos dois anteriores. Quando eles estão com seis meses, podem ser comparados a uma criança de 8 anos de idade e com apenas 12 anos de vida ele já é comparado a uma pessoa de 94 anos de idade. Com os cães gigantes, tudo isso é ainda mais curto. Com apenas seis meses eles já podem ser comparados a uma criança de 12 anos e com 10 anos  ele já equivale a uma pessoa de 94 anos de idade.
Viu como a diferença é grande? Com esses dados, você já poderá ter uma melhor ideia da idade do seu pet.

Postado em 17 de Janeiro às 09h06

Dicas para promover pelos saudáveis ao seu cão

Dicas (28)Cães (15)
Trupe da Kuki Clínica Veterinária Cuidar da saúde do seu cão é uma grande responsabilidade! Manter os pelos saudáveis é importante e deve fazer parte de uma rotina de cuidados. Como já...
Cuidar da saúde do seu cão é uma grande responsabilidade! Manter os pelos saudáveis é importante e deve fazer parte de uma rotina de cuidados.
Como já dissemos aqui no blog, a queda de pelo é um processo natural para os cachorros. Mas também pode ser evitada com alguns cuidados básicos no dia a dia do seu pet. Uma alimentação balanceada é um ótimo começo para tratar pelos opacos e sem vida, assim como a soma de alguns hábitos necessários para cuidar dos pelos.
Ração
Esta é a peça mais importante para a nutrição, pois é através dela que seu animal vai adquirir todas as vitaminas, minerais e nutrientes necessários para se manter bem e saudável. Por isso, escolha a ração com cuidado levando em consideração a raça, porte e necessidades especiais do seu cachorro. Prefira as rações com qualidade comprovada a marcas desconhecidas.
Lembre-se de armazená-la em local seco e arejado, para que não perca sua qualidade!
Abrigo
Animais que possuem uma casinha ou canil protegido não sofrem com o mau tempo, seja no sol ou chuva. É importante que ele tenha água fresca sempre disponível e um cantinho ventilado para poder descansar em um lugar arejado.
Tudo isso faz parte da qualidade de vida e proporciona felicidade e sensação de estar bem cuidado ao seu cão, o que com certeza o faz ser um animal mais saudável!
Complementos
Os ácidos graxos como ômega 3 (óleo de peixe), óleo de linhaça e óleo de coco são ótimos para serem adicionados à alimentação do seu cachorro. Elas contribuem com a nutrição da pele e pelagem dos cachorros.
Sempre levando em consideração o porte do seu animal para que não haja a superdosagem, isso pode gerar desconfortos e dores estomacais no animal. O ideal é consultar o veterinário antes de oferecer!
Banho com aveia
Escolha um shampoo que contenha a aveia em sua composição ou, use a própria aveia triturada no banho caseiro. A aveia vai hidratar a pele, proteger de irritações e coceiras além de deixar os pelos macios e brilhosos.
Você pode misturar uma xícara da aveia triturada em uma bacia de água morna e  massagear o cachorro por 10 minutos. Depois deste banho natural, pentear o animal para retirar excesso de pelos ajuda a fortalecer e aliviar o processo da queda de pelos.
Se você prefere levar seu cão a um profissional para tomar banho, saiba que é essencial pesquisar bem ao escolher o local. Confira estas 6 dicas!
Escovação 
Escovar seu cãozinho todos os dias é essencial para manter a saúde da pelagem. O pelo cai próximo de você quando estiver escovando, e já fica fácil identificá-lo e descartá-lo.
 
A escovação também promove uma hidratação natural do couro e pelos do cão, pois ao escovar, o próprio óleo dele passa a ser espalhado até as pontas dos pelos e em áreas menos hidratadas, trazendo assim mais vida, saúde e brilho para a pelagem como um todo.
Para realizar uma escovação eficaz, nós indicamos a Escova Furminator.
Visita ao veterinário
Os animais também precisam de um check-up anual, além de consultas de emergências caso aquela coceira, seborreia ou casquinhas demorem a passar. O animal pode estar com quadro alérgico ou infeccioso, e nada substitui o cuidado do veterinário nessa hora.
Portanto, marque uma consulta!
Lembre-se que seu cachorro pode ter necessidades especiais sejam pelo seu porte, raça ou condições de espaço, então é sempre importante prestar atenção aos costumes e alterações na rotina ou comportamento do seu cãozinho. Com esses cuidados o pelo dele estará sempre bem cuidado e brilhoso e, o mais importante: saudável como deve ser.