Aba 1

Trupe da Kuki Clínica Veterinária
E-mail
Resolva :

Postado em 25 de Julho de 2017 às 08h47

cachorro nutrição saúde Cães idosos com Alzheimer: Como tratar

Trupe da Kuki Clínica Veterinária Após os sete anos de idade, alguns cães podem começar a apresentar comportamentos diferentes, como agressividade, fobias, ansiedade de separação, além de comportamentos...

Após os sete anos de idade, alguns cães podem começar a apresentar comportamentos diferentes, como agressividade, fobias, ansiedade de separação, além de comportamentos compulsivos ou repetitivos. Esses são alguns sintomas associados à Síndrome da Disfunção Cognitiva, popularmente conhecida como “Alzheimer dos animais”. Nos animais, não há raça com maior predisposição e a doença é rara em cães jovens.
Outros sinais de alerta para os tutores são: fazer cocô ou xixi em locais inapropriados, ficar perdido em lugares conhecidos ou parado olhando para o nada. Isso acontece porque a doença é caracterizada por um quadro degenerativo, em que há morte das células cerebrais, levando inicialmente a alterações relacionadas à memória e ao raciocínio.

“Diversas são as doenças e condições que podem levar à alteração de comportamento em cães idosos, portanto o diagnóstico presuntivo da Disfunção Cognitiva em cães se faz por exclusão das possíveis causas daquele comportamento”, explica Rafael Parra Lessa, médico-veterinário do Serviço de Neurologia do Hospital Veterinário Pet Care.

Isso porque os sintomas variam bastante e é preciso descartar outras enfermidades, como doenças de coluna, insuficiência renal ou diabetes, por exemplo, que também podem levar a incontinência urinária, um dos sinais associados à síndrome. “Um exame clínico neurológico minucioso e exames de imagem como a ressonância magnética podem confirmar este diagnóstico”, indica o veterinário.

Em caso de confirmação da doença, o tratamento visa amenizar os sintomas, já que, assim como nos humanos, ainda não há medicamento capaz de barrar as lesões. “O ponto mais importante do tratamento é o enriquecimento ambiental, que tem como proposta treinar o cérebro do paciente com o objetivo de deixá-lo mais esperto”, afirma Lessa. Para isso, são utilizados jogos e diferentes estímulos com o animal.

Além disso, os médicos-veterinários costumam recomendar uma dieta balanceada para tentar melhorar a capacidade cognitiva desses cachorros. “Quando os tratamentos descritos anteriormente não são suficientes, existe a possibilidade de uso de medicações para tratar distúrbios específicos, como indutores de sono para regular o ciclo de sono e vigília, antidepressivos, caso tenha desenvolvido ansiedade”, afirma Lessa.

Assim como no caso dos humanos, pesquisadores ainda buscam muitas respostas para as causas e os tratamentos para o Alzheimer em animais. “É preciso descobrir o momento em que a doença tem o início, como é possível interrompê-la, e mais, como seria possível regredir lesões já instaladas”, diz o médico-veterinário.

Veja também

Transporte de animais no carro17/08/17 Seja para uma viagem longa, uma ida ao veterinário ou apenas um passeio na casa da vovó, muito provavelmente alguma vez na vida você vai andar de carro com seu animalzinho. Mas o transporte de animais no carro exige alguns cuidados em prol da segurança, para isso existem leis que obrigam os motoristas a prestarem atenção nestes cuidados, sob a pena de multas. Mas hoje em......
Cuidados com seu PET19/01/17
Pelos de gato: um manual para lidar com a queda14/06/17 Quem tem miau em casa já sabe: é pelos de gato no chão, pelos de gato na roupa, pelos de gato no ar. Mas se você reparou que os pelos do seu gato estão caindo mais do que o normal, você deve tomar alguns cuidados extra......

Voltar para Blog