Aba 1

Trupe da Kuki Clínica Veterinária
E-mail
Resolva :

Postado em 30 de Março de 2017 às 05h35

Gato com depressão: o que fazer?

Trupe da Kuki Clínica Veterinária Alguns gatos podem começar a apresentar sintomas que levam seus donos a concluir que eles estão com depressão. No entanto, não existe gato com depressão. Na verdade,...

Alguns gatos podem começar a apresentar sintomas que levam seus donos a concluir que eles estão com depressão. No entanto, não existe gato com depressão. Na verdade, depressão não é o termo mais adequado para definir esse quadro nos felinos. O gato pode ter, na verdade, distúrbios médicos e comportamentais.

Os sintomas mais comuns nesse caso são fraqueza, debilidade, redução da atividade física, irritabilidade, agressividade, medo, introversão e até dificuldade para comer.

O médico veterinário José Mourino alerta para o fato de que gatos com problemas comportamentais sofrem muito e muitos cuidadores não conseguem perceber.

Tratamento
Existe tratamento para esses distúrbios comportamentais, mas o diagnóstico precisa ser muito preciso e realizado por um profissional.

“Se o gato apresentar qualquer alteração clínica, deverá ser realizado consulta por um veterinário para identificar o que está ocorrendo de errado; a partir dessa informação, tratamento clínico adequado será iniciado”, explica a especialista em felinos Tatiani Camargo.

Além de medicações, outras atividades provavelmente serão recomendadas pelo profissional para ajudar no tratamento.

“A diminuição do estresse, seja ele qual for, a correção da dieta e o aumento das atividades lúdicas em conjunto são a única forma de ajudar esse gato doente. Essas alterações costumam trazer resultados rápido”, explica Mourino.

Melhora do gato com depressão
Com as mudanças corretas, uma melhora deve ser percebida em poucas semanas.

“Fica nítido que o gato começa a ficar mais manuseável, mais extrovertido. Menos agressivo ou nervoso. As alterações urinárias e alimentares também melhoram”, afirma o veterinário.

Também é importante lembrar que não é recomendável introduzir um novo animal doméstico em casa nesse período de tratamento. Essa situação pode gerar estresse e piorar a condição do felino doente.
 

Veja também

cachorro nutrição saúde Cães idosos com Alzheimer: Como tratar25/07/17 Após os sete anos de idade, alguns cães podem começar a apresentar comportamentos diferentes, como agressividade, fobias, ansiedade de separação, além de comportamentos compulsivos ou repetitivos. Esses são......

Voltar para Blog